Pause / Pausa

​Devido ao facto de trabalhar como free-lancer, não posso programar férias. Nunca pude. Das vezes que o fiz, algumas não correram bem. Cheguei a assinalar estadias que não pude usufruir! Esta realidade levou-me a aprender a desfrutar das pausas. Foi o que aconteceu estes dias. 

Por ser uma semana relativamente calma no projeto no qual estou inserida, fui presenteada com dois dias de folga extra. Dois dias colados ao fim-de-semana resultam em mini-férias! Assim, rumei ao sul onde já se encontrava parte da família.  Deixei literalmente o trabalho em pausa e abracei o sol, os banhos de mar e o dolce farniente. 

Muitos, eu inclusive, diriam que mini-férias não são férias, que ir para sul uns dias não é o mesmo que apanhar um avião para o outro lado do mundo durante vinte ou trinta. Basicamente, muitos diriam que me estou a enganar a mim própria, a contentar-me com pouco. Em certa parte até concordo, mas só em certa parte e não na totalidade. 

Trata-se de uma pausa, não de uma paragem! Entre um ponto e o outro do nosso caminho há escalas efectivamente, mas também há pequenas brechas que podem ser preenchidas da melhor maneira que conseguirmos. E esta foi a minha! 

Anúncios

Scales / Escalas


As escalas nas viagens não são bem-vindas. Se pudéssemos escolher, iríamos sempre diretos. Mas seja por impossibilidade geográfica ou monetária, raras são as vezes que lhes conseguimos escapar. Até chegar ao destino, temos de passar por momentos de espera.
O mesmo acontece com os maus momentos! Se pudéssemos escolher, iríamos com certeza diretos de momentos felizes a momentos felizes. Mas essa possibilidade não é nada mais nada menos que utopia. Maus momentos são inevitáveis. Temos de passar por alguns. 
No que me diz respeito, em vez de ficar parada a ver o tempo a passar, faço questão que seja o tempo a passar por mim enquanto estou ocupada a viver. Ainda que nem sempre saiba como! As escalas aproveito-as, por exemplo, para dar uma volta à cidade onde estou, para fazer compras, para fazer uma refeição pausada ou para simplesmente tirar um momento para mim. Tudo depende do tempo e circunstâncias das escalas. 
Assim, encaro momentos difíceis como escalas numa viagem. Considero-os pequenos desvios da rota principal, pequenas esperas ao pé do grandioso que está para vir! E já que os tenho de viver, ainda que nem sempre saiba como, tento que me sejam úteis de alguma maneira!